Arquivo mensais:janeiro 2009

Cadilac Escalade desperta a cobiça

As picapes e os utilitários esportivos podem ter perdido parte de seu “appeal” para os consumidores norte-americanos, mas continuam despertando desejos aos “amigos do alheio”. Pelo menos é o que revela o estudo do Highway Loss Data Institute, organização filiada ao Instituto de Segurança Veicular dos Estados Unidos (IIHS), criado por seguradoras para analiisar perdas veiculares. O novo relatório contempla os veículos fabricados entre 2005 e 2001 e revela que o modelo mais roubado é o utilitário esportivo de luxo Cadillac Escalade ESV – versão alongada (foto). Ele fica “à frente” da picape Ford F-250 em sua versão Super Crew – cabine dupla. Em terceiro, ficou o Escalade versão curta. O Escalade é um dos símbolos dos “sport utilities” norte-americanos. Construído sobre a platafonna do SUVYukon, da GMC, o modelo foi o primeiro do gênero a ostentar o símbolo da marca Cadillac. Mas nem só os grandalhões são visados. Na lista dos 10 mais roubados, há três carros de passeio: o Dodge Charger e Magnum, que ocupam, respectivamente, o quarto e sétimo lugares, e o  conversível esportivo Honda S2000, o 10º colocado. 

Elantra pode ganhar planta em Piracicaba

Um novo produto da Hyundai passa a ser cogitado para fabricação no Brasil. Trata-se do Elantra (foto), que pode ganhar uma linha de montagem na planta que a montadora quer erguer em Piracicaba, interior de São Paulo. O sedã médio, porém, depende de negociação entre o fabricante sul-coreano e o Grupo Caoa, representante  e importador oficial da marca no país. Tudo porque, no contrato de construção da fábrica goiana de Anápolis, ficou acertado que o Grupo Caoa produziria por lá, além do utilitário HR – que já é feito – e do SUV compacto Tucson – previsto para 2010 -, ‘mais um sedã. Já’ na planta própria da Hyundai, inicialmente, seriam feitos modelos menores – já foram cogitados o i30, que brigaria entre os compactos premium, e até o subcompacto Getz. Agora, segundo fontes de mercado, os dois grupos, de olho no rentável fião dos sedãs médios, estariam em discussões para ver quem fica com o Elantra. A Hyundai pretende investir US$ 600 milhões na unidade de Piracicaba e iniciar as operações em 2011, para produzir 100mil veículos por ano para o mercado interno e para a América latina. 

Aumento de vendas do Fiesta tranqüiliza Ford

Em tempos de crise, uma boa notícia para a Ford. A nova geração do Fiesta registra aumento de vendas na . Europa e ajuda a marca norte-americana a aumentar sua participação de mercado no Velho Continente. Segundo dados da própria montadora, o hatch compacto já soma mais de 42 mil unidades vendidas nos 19 maiores mercados europeus durantes os primeiros dois meses à venda – outubro e novembro. E chegou a ser o mais vendido do mercado britânico.

A boa performance comercial do novo Fiesta fez a participação da Ford nos principais mercados da Europa crescer de 8% para 8,8% em relação a 2007 .

Mesmo assim, no total das vendas, o fabricante ianque não tem o que comemorar. A marca entregou 95,7 mil unidades em novembro, volume 21% menor que o assinalado no mesmo mês de 2007. 

Acordo garantirá produção de motor híbrido a diesel

O grupo PSA Peugeot Citroen firmou uma parceria com a Robert Bosch GmbH para o desenvolvimento de tecnologia híbrida a diesel. O acordo abrange o desenvolvimento, fabricação e fornecimento de componentes elétricos e eletrônicos – como motores elétricos e controladores de potência – para o sistema de tração integral de modelos híbridos a diesel. A tecnologia foi apresentada inicialmente no Salão do Automóvel de Paris, em setembro, nos conceitos crossover Peugeot Prologue e Cittoen Hypnos. Segundo o grupo, em 2011, a tecnologia estará em modelos de série de ambas as marcas. A Bosch fornecerá também o sistema que gerencia a comunicação entre os componentes elétricos e eletrônicos e os sistemas de freios e de controle de estabilidade dos veículos, de forma a otimizar a recuperação de energia das frenagens. 

Produção automotiva no Japão tem queda de 20,4%

A produção automotiva no Japão atingiu 854.171 unidades em novembro, número que representa uma queda de 20,4% em comparação ao mesmo mês do ano passado- a aior desde 1967. O número engloba a média de todos os tipos de veículos, incluindo comerciais. Entre os segmentos, o de automóveis apresentou a maior queda, com 20,3% no mesmo período, com 737.797 unidades vendidas. As exportações também caíram em um patamar de 19,5%. O maior fabricante’ de veículos do mundo, a Toyota, anunciou recentemente que registrará o seu primeiro prejuízo em 71 anos de história. Ao término do ano fiscal, em março de 2009, as perdas da marca devem atingir US$ 1,7 bilhão

– R$ 4 bilhões. No mês de novembro  vendas mundiais da montadora caíram 21,6% em elação ao mesmo período do ano passado. 

Chevrolet S10 mantém boa média de Vendas

Idade avançada do modelo não impede vendas

Os sinais da idade são facilmente perceptíveis na Chevrolet S10. Apesar das várias remodelações visuais – a mais . recente se deu no primeiro semestre de 2008 -, a picape não esconde seus mais de 14 anos de existência. Mesmo assim, se mantém firme nas vendas, apesar de rivais bem mais modernos, como Toyota Hilux, Nissán Frontier e Mitsubishi L200 Triton. ‘No ano passado, por exemplo, liderou as vendas no segmento de. picapes médias com mais de 31 mil unidades vendidas, bem à frente da segunda colocada, a Hilux, que não chegou a 22 mil. E o segredo de tantas vendas está justamente no fato de a S10 ter uma versão com preço abaixo de R$ 50 mil, ao contrário das concorrentes, cujos modelos de entrada ficam acima de R$ 70 mil. Tanto que a configuração Advantage Cabine Simples 4X2 2.4 FlexPower parte dos R$ .46.007 e responde por quase 40% das vendas da picape da General Motors.

É fato, porém, que a versão é a mais simples entre as onze que a S10 oferece no mercado. Sai de fábrica apenas com ar-condicionado, direção hidráulica, regulagem de altura do ‘volante, aviso sonoro de faróis acesos e de chaves na ignição, brake-light, para-choques traseiro com estribo. e piso antiderrapante, vidros verdes e espelho no parassol do carona. Na parte de segurança, freios com ABS e o diferencial traseiro com escorregamento limitado, batizado pela General Motors de trac-lock.

A lista de opcionais também é restrita. Trio elétrico, alarme na chave, janela traseira corrediça, faróis de neblina, rodas de liga leve aro 16, bagageiro no teto, capota marítima e luzes de leitura fazem o preço chegar a R$ 48.788, como o modelo avaliado. Além do preço ainda bastante atraente, a S10 ainda oferece um diferencial na motorização, pois é a única ·do segmento até agora a contar com motor f1exfuel.

A unidade 2.4 litros gera 147 cv de potência com álcool no tanque. e 141 cv com gasolina. O torque máximo chega a 21,9 kgf/m com ambos os combustíveis nas 2.800 rotações. Na estrutura, a S10 manter o mesmo chassi sobre longarinas do lançamento, ocorrido em 1995. A suspensão, modificada em 2000 e recalibrada nó face-lift do ano passado, é independente com braços articulados e barra de torção na frente. Atrás, permanecem os feixes de molas semielípticas de dois estágios. 

O desenho, porém, é o que mais denuncia o passar dos anos para o modelo. Na última remodelação visual, em maio de 2008, ganhou novas molduras para as lanternas e um novo quadro de instrumentos, além da gravatinha dourada da Chevrolet. A mudança visual mais significativa’ – e controversa – foi mesmo a adoção da tomada de ar” ao centro do capô, antes restrita às versões com motor turbo diesel. No entanto, a entrada não tem função de refrigeração alguma, já que não tem acesso ao cofre do motor. Ou seja, é puramente “cenográfica” .

Foi nesta última reestilização, aliás, que a S10 investiu no custo benefício e criou a versão Advantage. Justamente para brigar com a Ford Ranger Sport 2.3, única’ rival direta da versão mais básica do modelo da Chevrolet. A concorrente parte dos R$ 50.955, mas conta com itens de série que são opcionais na S10 Advantage, como trio elétrico, rádio/CD/MP3, alarme e faróis de neblina. De qualquer forma, a S10 permanece mais barata. E é esta matemática que faz a diferença em favor da mais veterana picape do mercado brasileiro.